05/01/2009

já agora... "mata-me outra vez"

Fala-me um pouco mais,
era tao bom ficar,
o mal é que eu ja nao sei quem eu sou...
eu nao sei se eu sou capaz
de me ouvir
Fala-me um pouco mais,
era tao bom subir,
e dar o que eu nunca dei a ninguém
sei que é bom teu travo a tudo
o que é mortal

ja... agora, mata-me outra vez
era tao bom, direi
mata-me outra vez
era tao bom, direi
mata-me outra vez
mata-me outra vez

tudo tem um fim
aqui nao ha ninguém que possa ter um mundo para dar
se um dia eu voltar
vai ser só mais uma forma de me ausentar
daquilo em que eu nao quero pensar
ja tudo teve um fim
ja que eu estou por ca
eu digo como é facil para mim
se ja nao da
sei que é bom teu travo a tudo
o que é mortal

ja agora, mata-me outra vez
era tao bom, direi
mata-me outra vez
era tao bom, direi
mata-me outra vez
mata-me outra vez
paro de andar
paro pra te ouvir
paro para ver se é bom pra mim
se é melhor do que uma vida
tao só e prenha por ninguém
vejo o k é bom dizer
paro pra te ouvir, mas foi só
para ver se o futuro é para nós
para quem tem o mesmo mal de nao saber amar
falo que pensar em mim
é cura e faz-me acordar...

...ou dormir

Fala-me um pouco mais,
era tao bom subir e dar o que eu nunca dei
a ninguém
sei que é bom teu travo a tudo
o que é mortal

ja... agora,
mata-me outra vez
era tao bom, direi
mata-me outra vez
era tao bom, direi
mata-me outra vez
Manel Cruz - Ornatos Violeta - Cão

2 comentários:

Anónimo disse...

!!!

efeitos secundários da poesia disse...

manuel cruz tem de facto do dom da palavra!
*